VENTOS DOS DESERTOS

A Oração é uma luta dolorosa e sangrenta

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

(By Élder Ephraim of Katounakia)

(Nota: essas práticas são apenas para Cristãos Ortodoxos que se esforçam para viver de acordo com os Mandamentos de Deus e que também têm uma bênção de seu pai espiritual para se engajar em tais lutas. Eles podem ser prejudiciais de outra forma).

“A oração é uma luta. Ela fortalece a luta dos fiéis contra o diabo, mas também é uma luta dolorosa e sangrenta. Todo o nosso esforço é para concentrar nossa mente nas palavras da “Oração de Jesus”.

Devemos tornar nossa mente surda e muda para qualquer outro pensamento, bom ou mau, que o mal nos traz. Não devemos dar ouvidos aos pensamentos que vêm de fora ou respondê-los. Precisamos desprezá-los completamente e não conversar com eles. Portanto, devemos buscar em todos os sentidos a mudez completa de nossa mente, porque somente com essa ação podemos manter nossa alma em calma para que a Oração de Jesus possa agir com eficácia.

Sabe-se que os pensamentos descem da mente para o coração e o perturbam. A mente perturbada também perturba o coração. Assim como o vento levanta as ondas do mar, também o vento dos pensamentos levanta ondas na alma. A atenção é necessária para a oração. É por isso que os Padres falam sobre oração em combinação com vigilância. A vigilância mantém a mente em constante alerta e prontidão e a oração traz a graça divina …

Os Santos Padres ensinam que mesmo que o homem nem sempre esteja sob o domínio dos demônios, ele está, no entanto, sob sua influência e hostilidade persistente. Eles continuamente rondam a alma e tentam, por todos os meios, fazer o fiel pecar, seja pelos sentidos (quando o objeto está próximo) ou pela imaginação (quando a pessoa ou objeto está longe) ou pelos movimentos da carne. Pois todo o homem, que consiste de corpo e alma, recebe a influência de Satanás e é capturado por ele.

As táticas hostis do mal, entretanto, são mais aparentes durante a oração. Aqueles que lutam nessa luta interior vêem o mal fazendo guerra contra eles furiosamente a cada passo. Eles vêem o diabo claramente usando todos os

meios para distrair sua mente de Deus. Eles vêem todos os ardis malignos do demônio, que odeia o bem e mata o homem.

Segundo São Marcos, o Asceta: “Quando o diabo vê que estamos orando no coração, ele incorre em grandes e maliciosas tentações”. Ele odeia excessivamente os homens, e seu ódio aumenta quando ele vê que eles tendem a se tornar anjos através da oração, e ocupar o lugar que os demônios ocupavam antes de sua queda. São Gregório de Nissa descreve esta inveja maliciosa do diabo, causada pela “divinização” do homem: “Os demônios são consumidos pela inveja e pelo ciúme, quando os homens estão prontos para adquirir parentesco com Deus, enquanto eles (os demônios) quebraram essa relação com os bons”…

A imaginação é a arma mais astuta de Satanás; imaginando o passado e imaginando o futuro; imaginando boas obras, imaginando más. Vários pensamentos vêm e preocupam a mente, de modo que ela cessa de meditar no nome de Jesus. Ele tenta fazer o homem não mostrar interesse em Deus e expressar seu amor. Primeiramente, ele o persuade a lembrar as falhas que cometeu em sua vida, no passado e no presente.

Os Santos Padres dizem que a guerra geralmente é tão violenta quanto as paixões eram antes. Para cada prazer, ele deve pagar a dor proporcional. Há uma estreita conexão entre prazer e dor na vida ascética dos Padres. O prazer trouxe tanto a queda quanto a dor; e é precisamente essa dor que restaura o homem ao seu estado original e o cura. Assim, o homem sofre muito. Ele paga por cada pensamento e prazer maligno a quantidade proporcional de sofrimento, para que um equilíbrio seja restaurado

Eventos que aconteceram há muitos anos, pelos quais ele sentiu prazer, sendo entretanto esquecidos, aparecem agora em toda a sua intensidade e amplitude. Ele pode até chegar ao ponto de desgosto e desespero.

Pensamentos blasfemos interpelam o atleta da oração… incredulidade sobre as grandes questões da fé, como a divindade de Cristo e a pureza da Santíssima Mãe de Deus e dos Santos, etc. Muitas vezes estes pensamentos são expressos e verbalizados durante a oração, sem que o lutador dessa luta saiba ou queira.

Os pensamentos blasfemos devem ser combatidos com desprezo. Só assim eles desaparecem. Pensamentos blasfemos são inspirados pelo diabo – eles não são nossos. Aqui podemos afirmar que a palavra do Senhor tem validade: “Você não pode servir a Deus e a Mamom” (Mt 6:24), ou seja, não se pode fazer duas coisas simultaneamente. Não pode ser encantado pelo mais doce néctar da oração de Jesus, por um lado e por outro lado, enquanto está orando, duvidar do poder da oração ou das verdades dogmáticas.

O último é o ataque do diabo. O desprezo, então, é necessário e se o pensamento blasfemo continuamente nos ataca, ele precisa da confissão ao pai espiritual. Em seguida, ele desaparece imediatamente. Além disso, o mesmo acontece com pensamentos persistentes. Um pensamento que persiste, especialmente durante a oração, precisa ser confessado. Assim, o demônio que se esconde sob ela, desaparece imediatamente, como a cobra quando levantamos a pedra …

O atleta da oração não deve se deixar abalar. Ele deve se opor à imaginação com a invocação contínua do nome de Jesus, e ele deve se concentrar nas palavras da oração de Jesus. Ele deve permanecer bravamente na concisão da oração de Jesus. Ele não deve pensar em nada durante a oração, seja em obras erradas ou mesmo boas…

Muitas vezes o diabo, continuou ele, aparece e fala com o atleta da oração. Ele o desafia e tenta abrir um diálogo com ele. Às vezes ele culpa o atleta, às vezes o elogia, às vezes ele zomba dele, às vezes ele interpreta certos atos de forma errada. O inexperiente nesta competição espiritual começa a falar com o diabo e responde a suas perguntas e ataques. Porém, esse é um erro, principalmente para os iniciantes, pois os inexperientes nessas situações são derrotados até mesmo se parece que o diabo foi posto em fuga por suas respostas. A confusão e o medo permanecem. E mais tarde, quando se lembrarem desta cena e de tudo o que foi dito, eles ficarão abalados e perturbados. Os Padres recomendam que quem não tem a experiência e a força necessária não responda. Eles devem ser indiferentes ao diabo e desprezá-lo. Eles devem fazer o mesmo na guerra contra seus pensamentos. Portanto, o desprezo contra o diabo e a perseverança na oração de Jesus são necessários…

Veja Também

outubro 20, 2021

Oração a Nossa Senhora Desatadora dos Nós -novo

outubro 20, 2021

Oração a Nossa Senhora Desatadora dos Nós

janeiro 7, 2021

Eu adoro, ó Jesus, tuas cinco Chagas

×

Powered by WhatsApp Chat

× Como posso te ajudar?